Selviro Rodrigues, o super homem rennista

Selviro Rodrigues foi o treinador mais vitorioso do G. E. Renner. Nascido em Tupanciretã em 31 de agosto de 1917, desde cedo se interessou por esportes. Tamanho fascínio fez o jovem querer estudar no Instituto Porto Alegre (IPA), o qual era considerado, no final dos anos 30, a escola brasileira com melhores instalações e equipamentosContinuar lendo “Selviro Rodrigues, o super homem rennista”

Últimas paradas

O campeonato metropolitano de Porto Alegre de 1958 foi tão longo que, em uma das brechas na agenda de confrontos do G. E. Renner, o time foi a Montevideo realizar um amistoso contra o Nacional. A partida, realizada em 18 de janeiro de 1959, no Estádio Centenário, marcou a segunda derrota rennista para o esquadrãoContinuar lendo “Últimas paradas”

Ênio, o gênio

Ênio Andrade nasceu em Porto Alegre no dia 31 de janeiro de 1928. Como muitos de sua geração, começou a jogar futebol na várzea, com a camiseta do Marquês do Alegrete. Suas primeiras oportunidades entre os profissionais foram no São José e no Internacional. Em 1951, Ênio foi contratado pelo G. E. Renner, time emContinuar lendo “Ênio, o gênio”

O colecionador de títulos

A habilidade com a perna direita e a visão de jogo, considerada genial, foram os aspectos que levaram Ênio Andrade a ser considerado um dos maiores destaques da história do G. E. Renner. Na bola parada, em pênaltis, faltas ou escanteios, o gol era quase certo. Ênio colocava a bola aonde ele queria. Com tamanhaContinuar lendo “O colecionador de títulos”

Rumo ao título

O confronto contra o Grêmio Foot-Ball Porto Alegrense, no jogo que marcava a estreia do G. E. Renner no Estádio Olímpico, começou cercado de expectativa. O time dos industriários, então líder do campeonato, queria manter a liderança da competição. A equipe gremista, por sua vez, em franca recuperação no certame, queria manter viva sua chanceContinuar lendo “Rumo ao título”

A concentração do time campeão

A temporada em que o G. E. Renner se sagrou campeão do Campeonato Citadino de Porto Alegre foi recheada de treinamento e trabalho. A jornada dupla, que requeria dos jogadores aptidões futebolísticas e, também, habilidades comerciais ou fabris, exigia uma entrega completa dos atletas. O ano de 1954, ano em que o time dos industriáriosContinuar lendo “A concentração do time campeão”

Trabalho e glória

Os jogadores do G. E. Renner, além de competir pelo time dos industriários, também exerciam diferentes atividades dentro da Indústria A. J. Renner & Cia. Mesmo nas vésperas de jogos, os jogadores não deixavam de registrar seus cartões-ponto e desempenhar suas funções. Era uma rotina dupla e corrida para os atletas. Em 17 de dezembroContinuar lendo “Trabalho e glória”

Paulistinha

Carlos Bermudez Guedes, o Paulistinha, por incrível que pareça, não nasceu em São Paulo. Paulistinha nasceu em Florianópolis em 23 de novembro de 1931, mesmo dia, mês e ano em que nasceu o lendário goleiro Valdir de Morais. Por obra do destino, tanto Paulistinha, quanto Valdir de Morais e Breno Mello, três dos maiores craquesContinuar lendo “Paulistinha”

A precisão de Orlando

Orlando Rosa Romagna foi um dos mais habilidosos zagueiros centrais que o Rio Grande do Sul já viu em campo. Nascido em 1932, na cidade de Júlio de Castilhos, Orlando se destacou desde que começou a atuar pelo time do Grêmio. Depois de passar pelas equipes infantil e juvenil, e ser alçado ao esquadrão profissionalContinuar lendo “A precisão de Orlando”

A derrota e a reviravolta

Em março de 1950, o Torneio Triangular de Porto Alegre foi a primeira competição que G. E. Renner disputou após o retorno de Gradim ao comando do time (o treinador ficou 3 meses afastado em virtude de uma enfermidade). A competição contou com a participação do Grêmio, do Internacional e do Renner, os três melhoresContinuar lendo “A derrota e a reviravolta”