Três vezes Renner

O calendário marcava 24 de agosto de 1958 quando o G. E. Renner e o S. C. Internacional entraram em campo para se enfrentar três vezes. Era um domingo gelado, típico do inverno gaúcho. O Internacional, já calejado pelas conquistas de diversos campeonatos, tinha a expectativa de vitória. O time rennista, no entanto, estava emContinuar lendo “Três vezes Renner”

Últimas paradas

O campeonato metropolitano de Porto Alegre de 1958 foi tão longo que, em uma das brechas na agenda de confrontos do G. E. Renner, o time foi a Montevideo realizar um amistoso contra o Nacional. A partida, realizada em 18 de janeiro de 1959, no Estádio Centenário, marcou a segunda derrota rennista para o esquadrãoContinuar lendo “Últimas paradas”

Tríplice vitória

O dia 24 de agosto de 1958 foi um dos mais felizes da curta trajetória do time dos industriários. Pela manhã, o time juvenil do G. E. Renner derrotou o esquadrão juvenil do Internacional em pleno Estádio dos Eucaliptos. A vitória por 2 a 1, em pleno gramado adversário, animou os esquadrões de aspirantes eContinuar lendo “Tríplice vitória”

Ênio, o gênio

Ênio Andrade nasceu em Porto Alegre no dia 31 de janeiro de 1928. Como muitos de sua geração, começou a jogar futebol na várzea, com a camiseta do Marquês do Alegrete. Suas primeiras oportunidades entre os profissionais foram no São José e no Internacional. Em 1951, Ênio foi contratado pelo G. E. Renner, time emContinuar lendo “Ênio, o gênio”

Trabalho reconhecido

16 de dezembro de 1956 foi um dos dias mais felizes da curta trajetória do G. E. Renner. Após conquistar o campeonato de juvenis pela manhã, o time dos industriários conquistou também o campeonato de aspirantes no início da tarde. As duas conquistas alçaram o clube do 4º distrito a um outro patamar no cenárioContinuar lendo “Trabalho reconhecido”

O colecionador de títulos

A habilidade com a perna direita e a visão de jogo, considerada genial, foram os aspectos que levaram Ênio Andrade a ser considerado um dos maiores destaques da história do G. E. Renner. Na bola parada, em pênaltis, faltas ou escanteios, o gol era quase certo. Ênio colocava a bola aonde ele queria. Com tamanhaContinuar lendo “O colecionador de títulos”

Ênio Andrade, o estrategista

O G. E. Renner foi o celeiro de uma série de craques. Um dos mais célebres foi Ênio Andrade, aquele mesmo que posteriormente se tornou um dos treinadores mais vitoriosos do Brasil. Ênio, assim como muitos gênios da bola, iniciou sua trajetória no futebol amador. A camisa do Marquês do Alegrete Futebol Clube foi aContinuar lendo “Ênio Andrade, o estrategista”

Paulistinha

Carlos Bermudez Guedes, o Paulistinha, por incrível que pareça, não nasceu em São Paulo. Paulistinha nasceu em Florianópolis em 23 de novembro de 1931, mesmo dia, mês e ano em que nasceu o lendário goleiro Valdir de Morais. Por obra do destino, tanto Paulistinha, quanto Valdir de Morais e Breno Mello, três dos maiores craquesContinuar lendo “Paulistinha”

Suspense nos Eucaliptos

A penúltima partida do campeonato citadino de Porto Alegre de 1952 tinha ares de decisão para as equipes do G. E. Renner e do S. C. Internacional. Apenas um ponto separava os times na tabela de classificação. A vantagem era do esquadrão colorado, que poderia conquistar o campeonato caso vencesse o time dos industriários naquelaContinuar lendo “Suspense nos Eucaliptos”

A derrota e a reviravolta

Em março de 1950, o Torneio Triangular de Porto Alegre foi a primeira competição que G. E. Renner disputou após o retorno de Gradim ao comando do time (o treinador ficou 3 meses afastado em virtude de uma enfermidade). A competição contou com a participação do Grêmio, do Internacional e do Renner, os três melhoresContinuar lendo “A derrota e a reviravolta”