Higino Ribeiro: goleador inesquecível

Em sua estreia como profissional, na noite de 17 de maio de 1957, Higino Ribeiro Neto, de apenas 19 anos, fez dois gols na memorável partida em que o G. E. Renner venceu o Santos de Pelé, no Estádio Tiradentes. Era uma das jovens promessas lançadas por Selviro Rodrigues – vindo dos juvenis, ele logoContinuar lendo “Higino Ribeiro: goleador inesquecível”

Golaço de Alduíno marca a última batalha no “Waterloo”

Porto Alegre, 02 de fevereiro de 1959: feriado municipal de Nossa Senhora dos Navegantes. A poucos metros do estádio Tiradentes, na paróquia da santa padroeira que dá nome ao bairro Navegantes, a tradicional festa popular da cidade transcorria animada, mobilizando uma multidão de fiéis. Enquanto isso, no “Waterloo”, a sempre fiel torcida rennista acompanhava oContinuar lendo “Golaço de Alduíno marca a última batalha no “Waterloo””

Gradim: o tecelão multi campeão

A temporada de 1949 marcou a despedida do técnico Antônio Bittencourt, o Gradim. Após uma década dedicada ao clube, deixou um legado de conquistas: Tetra Amador, Divisão de Acesso e o Torneio Extra da Cidade de 1947 da Divisão de Honra. Na década de 1940, deu-se início a reformulação do time, através de novas contrataçõesContinuar lendo “Gradim: o tecelão multi campeão”

Uma revolução no futebol gaúcho

A renovação do plantel do Renner atingiu seu ápice no segundo semestre de 1958. Em 12 de agosto, após doze anos atuando debaixo das traves rennistas, o lendário Valdir Joaquim de Morais assinou contrato com a Sociedade Esportiva Palmeiras, e do elenco Campeão de 1954 restavam apenas três craques: Bonzo, Gago e Joeci. No entanto,Continuar lendo “Uma revolução no futebol gaúcho”

Combinado RE-NAL

Em junho de 1956, o Fluminense F.C. realizou uma excursão para Porto Alegre, com o objetivo de disputar amistosos contra duas equipes que tinham em seu elenco jogadores da Seleção Brasileira Campeã Pan Americana no México. O G. E. Renner foi o primeiro adversário, na sexta feira dia 01 de junho, e o resultado surpreendeu:Continuar lendo “Combinado RE-NAL”

Renner 1 x 1 Vasco da Gama

Na tarde de 18 de dezembro de 1949, o G.E. Renner deu um presente de Natal antecipado a seus torcedores. Um numeroso público, que propiciou renda de CR$ 136.850,00, assistiu ao amistoso entre Vasco da Gama e o “Time dos Industriários”. O Campeão Carioca era então o mais valorizado elenco do país, com sete jogadoresContinuar lendo “Renner 1 x 1 Vasco da Gama”

Era só piscar os olhos e já estava um a zero para nós

Ataíde Carvalho iniciou como massagista do Grêmio Esportivo Brasil de Pelotas, em 1944. Já em Porto Alegre, seu primeiro clube foi o Esporte Clube Cruzeiro, onde permaneceu de 1947 a 1951. No começo da temporada de 1952 já fazia parte do departamento médico do Renner, que tinha Geremias Mello como massagista principal e o Dr.Continuar lendo “Era só piscar os olhos e já estava um a zero para nós”

Uma orgia de gols no mais sensacional “match” da temporada 54

Domingo, 28 de novembro de 1954. Uma típica tarde de verão porto-alegrense: o termômetro passava dos 33 graus, mas a sensação térmica era de quase 40. Com o estádio Tiradentes em obras (as arquibancadas da geral estavam sendo cobertas), apenas 1802 torcedores assistiriam ao duelo que entraria para a história do futebol gaúcho. O RennerContinuar lendo “Uma orgia de gols no mais sensacional “match” da temporada 54”

Cruzeiro no Memorial Renner

No dia 25 de março de 2022, conselheiros do Esporte Clube Cruzeiro (1913), de Porto Alegre, visitaram o Memorial G. E. Renner / Espaço Valdir Joaquim de Morais, buscando ideias e informações para o Memorial que deverá ser implantado junto a Arena Cruzeiro, em Cachoeirinha. Os rennistas Raul Kinnemann, Luiz Schuch e Luiz Carlos MacchiContinuar lendo “Cruzeiro no Memorial Renner”

Os generais da vitória

Porto Alegre, estádio Tiradentes, sábado 08 de janeiro de 1955. Ao vencer o Juventude pelo placar de 9 x 2, o Renner conquista com três rodadas de antecedência o titulo citadino de futebol profissional. Publica a Folha da Tarde Esportiva, em 10 de janeiro: “Estes três homens, mais do que ninguém, contribuíram para o maiorContinuar lendo “Os generais da vitória”