Ênio Andrade, o estrategista

O G. E. Renner foi o celeiro de uma série de craques. Um dos mais célebres foi Ênio Andrade, aquele mesmo que posteriormente se tornou um dos treinadores mais vitoriosos do Brasil. Ênio, assim como muitos gênios da bola, iniciou sua trajetória no futebol amador. A camisa do Marquês do Alegrete Futebol Clube foi aContinuar lendo “Ênio Andrade, o estrategista”

Campeões em festa

A torcida rennista invadiu o gramado do Waterloo assim que o árbitro apitou o final do jogo contra o Juventude. A inédita conquista do campeonato citadino de 1954, e os nove gols diante do time da serra gaúcha, foi o cenário perfeito para o início de uma gigantesca comemoração. Após sair do Estádio Tiradentes, osContinuar lendo “Campeões em festa”

Todos os olhares

No dia 24 de julho de 1949, Valdir de Morais, aos 17 anos, fez sua 4ª partida como goleiro da equipe profissional do G. E. Renner. O confronto era válido pelo campeonato citadino e o adversário era o esquadrão do Esporte Clube Cruzeiro. Como todo bom clássico, a partida mobilizou uma multidão de torcedores atéContinuar lendo “Todos os olhares”

A estreia de Valdir

Abílio dos Reis foi uma das maiores contratações da história do G. E. Renner. A experiência na várzea porto alegrense, e também o hábil olhar para reconhecer craques, fizeram com que o treinador alcançasse inúmeros sucessos em sua carreira como técnico de futebol. Entre seus maiores feitos, além das conquistas dos campeonatos citadinos de juvenisContinuar lendo “A estreia de Valdir”

Iluminados

Em 21 de abril de 1945 aconteceu a inauguração do primeiro reparo a que foi submetido o glorioso Estádio Tiradentes. A arena, inaugurada em 1935, estava lotada (10 mil pessoas) no final daquela tarde em que a grande novidade era o novíssimo sistema de iluminação do Waterloo. O público estava animado em função da reaberturaContinuar lendo “Iluminados”

O comandante

Antônio de Araújo Bittencourt, o Gradim, foi o treinador mais vitorioso da história do Grêmio Esportivo Renner. Suas mais célebres conquistas foram o pentacampeonato amador da cidade de Porto Alegre (entre 1938 e 1942), o campeonato de acesso à Divisão de Honra em 1944 e o torneio extra de 1947, o qual correspondia ao primeiroContinuar lendo “O comandante”

Inauguração é festa

O primeiro campo utilizado pelos funcionários da A. J. Renner & Cia ficava ao lado de um dos pavilhões da indústria de fiação e tecelagem. Esse terreno, no entanto, perdeu prestígio quando o clube inaugurou o Estádio Tiradentes em 15 de novembro de 1935. As festividades de inauguração do estádio localizado na esquina da Av.Continuar lendo “Inauguração é festa”

Calça, casaco e colete

A renovação do plantel do Renner atingiu seu ápice em 12 de agosto de 1958. Nesse dia, depois de 12 anos atuando debaixo das traves rennistas, o lendário e extraordinário goleiro Valdir Joaquim de Morais assinou o contrato proposto pela Sociedade Esportiva Palmeiras. Do time campeão de 1954, agora restavam 3 craques: Bonzo, Gago eContinuar lendo “Calça, casaco e colete”

Um novo Waterloo?

O fascínio que o Grêmio Esportivo Renner causava nos moradores do 4º distrito de Porto Alegre também estava entrelaçado com a autoridade que a equipe impunha quando jogava no Estádio Tiradentes. Nesses momentos, o domínio estabelecido pelo time dos industriários sobre seus adversários era tanto que o Estádio passou a ser conhecido como Waterloo. TalContinuar lendo “Um novo Waterloo?”

Renner x Santos (com Pelé)

No dia 27 de março de 1957, o Renner recebeu a equipe do Santos para um amistoso no Estádio Tiradentes. O peixe, recém bi-campeão do campeonato paulista, chegou em Porto Alegre com um time recheado de craques como Dorval, Pagão, Jair e Tite. Além destes, a delegação do time paulista também trouxe um garoto deContinuar lendo “Renner x Santos (com Pelé)”