A concentração descontraída

Na fase amadora e no início da fase profissional, a rotina diária da comissão técnica e dos jogadores do G. E. Renner estabelecia que eles deveriam inicialmente executar as suas atividades na fábrica e, posteriormente, praticar as suas atividades esportivas. Essa rotina só foi alterada em 1948, quando Gradim, o técnico-tecelão, sugeriu ao Presidente doContinuar lendo “A concentração descontraída”

A derrota e a reviravolta

Em março de 1950, o Torneio Triangular de Porto Alegre foi a primeira competição que G. E. Renner disputou após o retorno de Gradim ao comando do time (o treinador ficou 3 meses afastado em virtude de uma enfermidade). A competição contou com a participação do Grêmio, do Internacional e do Renner, os três melhoresContinuar lendo “A derrota e a reviravolta”

Todos os olhares

No dia 24 de julho de 1949, Valdir de Morais, aos 17 anos, fez sua 4ª partida como goleiro da equipe profissional do G. E. Renner. O confronto era válido pelo campeonato citadino e o adversário era o esquadrão do Esporte Clube Cruzeiro. Como todo bom clássico, a partida mobilizou uma multidão de torcedores atéContinuar lendo “Todos os olhares”

O comandante

Antônio de Araújo Bittencourt, o Gradim, foi o treinador mais vitorioso da história do Grêmio Esportivo Renner. Suas mais célebres conquistas foram o pentacampeonato amador da cidade de Porto Alegre (entre 1938 e 1942), o campeonato de acesso à Divisão de Honra em 1944 e o torneio extra de 1947, o qual correspondia ao primeiroContinuar lendo “O comandante”