Da lama ao Tiradentes

Funcionários torcedores lotam as arquibancadas do Estádio Tiradentes (Foto Reprodução / Acervo Memorial)

Já havia parado de chover quando A. J. Renner decidiu prestigiar mais um amistoso nas dependências do Grêmio Sportivo Renner na Rua São José. Era uma tarde de um domingo carrancudo de 1934. Nessa época as partidas entre os funcionários já haviam se tornado rotina nas dependências da A. J. Renner & Cia. Os comentários sobre as disputas se espalhavam pelo ambiente fabril e a expectativa pelos próximos embates só aumentava entre os trabalhadores.

A chuva veemente que caíra no final da noite de sábado, e também na manhã de domingo, no entanto, havia castigado de maneira brutal o campo do 4º distrito da capital gaúcha. O lamaçal era indescritível, as condições de jogo eram mínimas e, mesmo assim, um público imperecível se fazia presente nas dependências do Clube. Tamanha lealdade dos torcedores, assim como as condições do campo de jogo daquele dia, contribuiu decisivamente para que A. J. Renner tomasse uma resolução que alteraria definitivamente a vida do Renner: a doação de um terreno de esquina, no cruzamento da Avenida Sertório com a Avenida Eduardo. A intenção, assim como as assertivas decisões administrativas do “Capitão das Indústrias”, era clara: a construção de um Estádio para bem abrigar jogadores e torcedores, e valorizar ainda mais o esporte preferido dos porto-alegrenses.

A construção do Estádio Rennista não tardou a começar. Ainda em 1934 foram iniciados os trabalhos, os quais continuaram ao longo do ano do centenário da Revolução Farroupilha (1935) e foram cadenciados de modo que a inauguração coincidisse com a data da Proclamação da República do Brasil, dia 15 de Novembro. Assim, em uma sexta-feira de feriado em Porto Alegre, foi inaugurado o Estádio Tiradentes – arena que poucos anos depois veio a se tornar palco e testemunha de embates épicos e vitórias memoráveis.

Campo utilizado pelo Renner na Rua São José (Foto Reprodução / Culture Projetos)
Fachada do Estádio Tiradentes inaugurado em 15 de Novembro de 1935 (Foto Reprodução / Acervo Memorial)
Vista Interna do Estádio do Grêmio Esportivo Renner (Foto Reprodução / Acervo Memorial)

Publicado por rennervive

Uma página dedicada ao Grêmio Esportivo Renner (1931-1959)

2 comentários em “Da lama ao Tiradentes

  1. meu pai darcy engelke e meu tio verno molerke trabalharam no renner . morava no predio na diagonal do estadio.
    era pequeno e lembro ter ido ao estadio que ficava ao lado da sociedade ginastica.

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: