Era só piscar os olhos e já estava um a zero para nós

Ataíde Carvalho iniciou como massagista do Grêmio Esportivo Brasil de Pelotas, em 1944. Já em Porto Alegre, seu primeiro clube foi o Esporte Clube Cruzeiro, onde permaneceu de 1947 a 1951. No começo da temporada de 1952 já fazia parte do departamento médico do Renner, que tinha Geremias Mello como massagista principal e o Dr. Arnaldo da Costa Filho como médico.

Como todos os integrantes da equipe trabalhavam na fábrica ou nas lojas, Ataíde também aceitou o emprego de enfermeiro no ambulatório que existia na loja matriz da Renner, na avenida Otávio Rocha, no centro de Porto Alegre.

Em 1959, com o encerramento das atividades no Renner, Ataíde ingressou no Grêmio Foot-ball Porto Alegrense, onde sagrou-se Heptacampeão Gaúcho.

Para ele, o professor Selviro Rodrigues era então o técnico mais qualificado do futebol gaúcho. O comandante rennista tinha grande conhecimento para gestar o eficiente preparo técnico e tático de sua equipe. Na parte física, Ataíde defendia que todos os jogadores de futebol precisavam ter “velocidade, agilidade e resistência”.

“Valdir e os irmãos Andrade, Ênio e Ivo, eram atletas exemplares. Os Andrade capitaneavam o meio de campo: Ivo como centro médio (volante), protegendo a defesa com muita técnica, fazia a saída de bola, e o Ênio, meia esquerda, cérebro do time, organizando jogadas de ataque. Os dois contribuíam muito com o professor Selviro sobre os esquemas táticos a serem adotados em cada partida. Valdir, mesmo não sendo um goleiro alto, tinha um excepcional preparo físico, grande agilidade e reflexo. Após os treinos, ficavam os três treinando com bola e, naturalmente, tornaram-se técnicos de muitas conquistas: Ivo Andrade, como auxiliar no Renner, onde encerrou a carreira; Ênio Andrade, Campeão Gaúcho, Pernambucano e Brasileiro; Valdir de Morais, treinador de goleiros do Palmeiras, multi-campeão também pela Seleção Brasileira”.

Para Ataíde, o futebol do Renner nos anos 1950, época da chamada “Máquina do 4º Distrito”, era alegre, disputado e com o grupo sempre muito unido. Ao recordar aquele ataque infernal, cunhou a frase que entraria para a história: “Era só piscar os olhos e já estava um a zero para nós”.

Publicado por rennervive

Uma página dedicada ao Grêmio Esportivo Renner (1931-1959)

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: