A Dignidade

   Afastado por problemas de saúde o técnico tecelão Gradim, acompanhou como todo o desportista do RGS a polêmica gerada por notícias de que os jogadores Rennistas, teriam vendido a partida para o Grêmio, líder invictito do certame de 1949.

   O Renner apresentou neste jogo do dia 23 de outubro, o goleiro Valdir de Morais, com apenas 18 anos e como técnico interino o centro médio da equipe, Heitor Moura.

   Heitor, dias após a partida, vitória de 1×0 na Baixada gol de Guido, assim se manifestou a Folha Esportiva:

   “ Depois de vencermos o Grêmio, prejudicando sensivelmente suas chances de levantar o campeonato, muito se tem falado sobre os bichos  que nós , os jogadores do Renner, iríamos receber de associados do S. C. Internacional; contudo ninguém fala agora na situação que criaram para nós antes da partida; e no entanto, se tantos esforços fizemos para vencer o adestrado conjunto da Baixada, não foi pelo que nos esperava depois do jogo; mas que se formou em torno de nós antes da partida.

   É realmente uma injustiça que se está fazendo com os jogadores do Renner, afirmando que só venceram o jogo em virtude do prêmio que receberiam de outro clube.”

   Pelos dois lados, antes e depois, acusações levianas de bicho extra pela vitória ou recompensa pela venda do jogo, correram soltas na cidade.

   Heitor conclui: ”A nossa situação antes do jogo era insuportável; e mais insuportável ficaria se tivéssemos saído de campo derrotados. Nunca mais haveria quem tivesse confiança em nós.

   Não foi o Grêmio que perdeu, ou o Internacional que ganhou; ganhou acima de tudo o Renner e seus jogadores, porque ganhamos o que nunca nos consolaríamos de perder: A Dignidade!”

Na imagem 01: José, Vado, Heitor, Valdir, Pedro e Bedeu; Flávio, Cabano, Guido, Segura e Medina – Estádio da Baixada

Na imagem 02: A entrevista de Heitor na redação da Folha Esportiva (28/10/1949)

Publicado por rennervive

Uma página dedicada ao Grêmio Esportivo Renner (1931-1959)

Um comentário em “A Dignidade

  1. O presidente inesquecivel, Antônio Casaccia, meu pai, ressaltava que os atletas do Renner, além da capacidade técnica tinham excelente caráter!!!

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: